ComunidadeaBíblia.Net

 
Home Principal Notícias Principal Médico é acusado de blasfêmia, atacado por multidão e preso

Médico é acusado de blasfêmia, atacado por multidão e preso

>> Revista GdHn - Edição 11
>> Alerta urgente de oração pela China
>> Estudantes encontrados com Bíblia e vídeo cristão são presos
>> Os Caminhos da Bíblia no Brasil é a nova exposição do Museu da Bíblia
>> Pesquisa revela que a Bíblia é pouco conhecida

A polícia paquistanesa prendeu um médico cristão atacado por uma multidão no início do mês, depois de ter sido acusado de "blasfêmia". O caso ocorreu na província de Punjab. Funcionários do governo disseram que o doutor Robin Sardar está preso na Prisão Central de Gujranwala. A esposa dele e os seis filhos tiveram que deixar a casa deles na cidade de Chak Chatta, a sudeste da capital Islamabad.

Nos portões da casa onde morava Robin Sardar agora pode se ler: "Esta é a casa de um blasfemador". Um grupo numeroso de aldeões irados se juntou no último dia 5 de maio, carregando bastões, querosene e fazendo ameaças de morte ao médico, relataram familiares dele ao Ministério Compartilhando Vida no Paquistão (SLMP).


"Um número enorme de extremistas muçulmanos usando turbantes verdes cercou nossa casa, a maioria deles estava armada ", disse Veena, a esposa de Robin Sardar. "Eles estavam gritando "o castigo do blasfemador é morte’", contou.

Ela disse que a polícia chegou à casa depois de várias horas e usou uma escada de mão para escalar a parede da propriedade e transportar Robin Sardar em segurança.

O oficial coordenador do distrito, Ibrar Mirza, confirmou que a polícia salvou o médico de ser linchado por uma multidão irada. "Quando as pessoas são incitadas a multidão pode fazer qualquer coisa", disse ele.

A acusação

Cristãos que vivem no local disseram que o incidente começou quando um vendedor muçulmano registrou uma reclamação de blasfêmia contra o doutor cristão na polícia, no dia 4 de maio.

Robin Sardar e o vendedor teriam se desentendido, segundo notícias, porque o comerciante queria se estabelecer em frente à clínica do doutor. Mas na queixa registrada pelo vendedor Muhammad Rafique, consta a acusação de que o médico teria insultado o profeta Maomé durante uma visita amigável que ele teria feito, dois dias antes.

"Robin começou a pregar sobre o cristianismo, enquanto dizia palavras ruins contra o profeta Maomé", disse o vendedor no testemunho escrito feito à polícia. "Ele também comparou a barba do profeta á barba de um sique."

Muhammad Rafique e vários de seus colegas começaram a provocar o médico, exigindo que ele se desculpasse. Mas Robin se negou, alegando nunca ter dito nada contra o profeta Maomé.

Na declaração de Rafique, ele pedia que o doutor recebesse pena de morte e ameaçou a polícia com uma revolta maciça de muçulmanos caso a polícia não prendesse o cristão. De acordo com o artigo 295-c, do Código Penal do Paquistão, a blasfêmia contra o profeta Maomé é punida com morte.

Família escondida

Veenas Sardar, a esposa, disse que ela não pode voltar para casa por receio de novos ataques. Os vizinhos contaram a ela que vão matá-lo, caso ele seja absolvido.

Se o doutor Robin e sua família abraçarem o islã, podem voltar, disseram os vizinhos por telefone a Veenas no dia 7 de maio.

Médicos cristãos cristão assustados

Dois outros médicos cristãos expressaram preocupação com a onda de ódio deflagrada após a acusação de blasfêmia, o que pode incitar a raiva contra os cristãos locais.

"Hoje em dia eu fecho a minha clínica o mais silenciosamente possível para não chamar atenção de muçulmanos irados", disse o doutor Shamaun Mughal, sobrinho de Robin Sardar.

"Até mesmo as crianças muçulmanas ficaram altamente fanáticas, abusando dos cristãos nas ruas e chamando doutor Robin de cachorro e exigindo que ele seja pendurado até a morte."

Polícia nega ameaças

A polícia local, entretanto, alega não haver perigo para a família de Robin Sardar e para os outros cristãos na região. "Nós temos muitos cristãos neste distrito e todos estão seguros", disse Mirza ao Compass, por telefone.

Mirza disse que a multidão que esteve na casa de Robin era formada por, no máximo, 50 pessoas, apesar de testemunhas oculares informarem acerca de 1000 pessoas presentes. Ele se recusou a comentar a legitimidade da blasfêmia contra o médico, mas admitiu que alguns casos são fabricados às vezes para atingir indivíduos específicos.

 

 

Fonte: http://www.portasabertas.org.br



App Caixinha de Promessas

 

Caixinha de Promessas

"Com isso eles ficaram sobremaneira maravilhados, dizendo entre si: Quem pode, então, ser salvo?" Marcos 10:26

[Inclua em seu site]



 


Publicidade